Identidade Visual

Naming: o processo de criar um nome para a sua empresa

Para uma empresa, tão importante quanto possuir uma boa identidade visual, é também ter um nome adequado. Vejamos neste artigo algumas dicas interessantes para esse processo de criação conhecido como naming.

Antes de começarmos, vale lembrar que essa etapa exige muito cuidado. Pense na empresa como o seu filho. O nome escolhido irá acompanhá-la por toda a sua vida e essa decisão poderá ser decisiva no futuro da marca.

Podemos conhecer o símbolo de uma marca, mas sempre quando nos referimos a ela, utilizamos o seu nome. A seguir veremos os tipos de nomes.

Áudio Digital - Elementos Básicos do Som
Curso de Áudio Digital - Elementos Básicos do Som
CONHEÇA O CURSO

Descritivo

Deixa claro no próprio nome o que a empresa faz ou oferece.

Ponto positivo: posicionamento de maneira fácil da marca no mercado e fácil assimilação sobre a atividade da empresa pelo consumidor.

Ponto negativo: pode restringir a marca, dificultando a ampliação do catálogo de produtos e/ou serviços da empresa.

Exemplos: Banco do Brasil e Galinha Pintainha

Siglas

Costuma abreviar vários nomes ou ideias (geralmente descritivo).

Ponto positivo: facilidade para criar nomes diferentes de fácil pronúncia e fácil memorização por serem pequenos.

Ponto negativo: costumam não carregar um significado por ser apenas um grupo de letras.

Exemplo: IBM

Inventado

Nomes criados especificamente para representar a marca.

Ponto positivo: são únicos e poderosos por nunca terem sido usados. Pode ajudar também na memorização e fixação da marca.

Ponto negativo: não carregam um significado explícito que possa sustentar o marketing.

Exemplo: Kodak (foi criado devido a boa sonoridade)

Sugestivo

Reme ao aspecto da marca ou produto.

Ponto positivo: ajuda a criar uma imagem mais profunda da marca do que somente quais produtos ou serviços serão entregues.

Ponto negativo: se não fizerem total sentido ao consumidor, podem prejudicar a marca.

Exemplos: Drogasil e Eletrobrás

Experiências

Surgem a partir de sentimentos ou experiências intrínsecos à marca.

Ponto positivo: ajudam a criar uma expectativa sobre a experiência que a marca poderá proporcionar, diferenciando-a no mercado.

Ponto negativo: se não tiverem em sintonia com o que a marca entrega, podem perder totalmente o sentido para o consumidor.

Exemplos: Natura (fazendo relação aos seus produtos e sensações naturais) e Vivo (represento uma vida de conectividade e acessibilidade).

Nomes próprios

Em algumas ocasiões, o criador da empresa “empresta” o seu nome para a marca.

Ponto positivo: se o nome tiver uma boa sonoridade, pode ajudar muito na aceitação pelo público e na distinção entre os concorrentes.

Ponto negativo: não carrega nenhuma característica da marca.

Exemplo: Calvin Klein

Dicas para criar novos nomes

Para criar novos nomes, algumas dicas são:

– Use prefixos e segmentos de palavras. Exemplo: “bis” para repetição. O produto bis levará você a repetição, a comer mais de uma vez (ou mais de um produto)

– Combinar palavras que têm relevância para o seu negócio. Exemplo: Youtube. “You” (você) + “Tube” (tubo, canal).

– Misturar nomes. Exemplo: Mattel. “Matt” + “El” (de Elliot).

Como sabemos, a cada dia surgem diversas novas empresas em todo o mundo e por isso o processo de naming se torna cada vez mais complexo. Além da criatividade, outros detalhes precisam ser levados em consideração. Faça as seguintes indagações durante processo de naming:

  1. Possui uma pronúncia fácil?
  2. É de fácil memorização?
  3. Demonstra o propósito da marca e a sua personalidade?
  4. Tem uma leitura agradável? Tem uma aparência tão boa quanto o som?
  5. O domínio (URL) para o nome da sua marca está disponível?
  6. É pronunciável (principalmente em inglês) e faz sentido em outras línguas ?

Com certeza será difícil preencher todos esses requisitos, mas quanto mais importância der a cada um deles durante o processo, maior a chance do sucesso.

E por último, mas não menos importante, faça o registro da sua marca logo após ela ser criada, assim como a criação de perfis nas redes sociais. Dessa forma você garantirá o uso exclusivo do seu nome.

Lembre também que num processo de naming, dois aspectos deverão ser levados em consideração: dinheiro e tempo.

  • Prazo curto e dinheiro em caixa: procure uma agência/profissional especializada(o) para essa tarefa.
  • Prazo curto e dinheiro curto: cuidado, pode se transformar na fórmula para o fracasso. Esse processo requer paciência e muita pesquisa. Pode ser que o tempo que você tenha não seja o suficiente para a execução do projeto de maneira assertiva.
  • Prazo longo e dinheiro em caixa: faça testes, pesquise. Se não encontrar uma solução, procure ajuda de agência ou profissional.
  • Prazo longo e dinheiro curto: estude, pesquise. Se o prazo é longo, a chance que você tem de chegar num resultado satisfatório pode aumentar consideravelmente.

Espero que tenha gostado do artigo. Até a próxima 😉

Adobe After Effects CC - Motion Graphics
Curso de Adobe After Effects CC - Motion Graphics
CONHEÇA O CURSO

Como se tornar um bom designer de logos

Olá! Neste artigo abordaremos algumas dicas essenciais para que você se torne um bom designer de logos. Elas também servirão para aqueles que já atuam na área e que estão em uma busca constante de aprendizado e aperfeiçoamento. Não entraremos no mérito de avaliar o melhor programa de vetor para se realizar os trabalhos, afinal, o melhor programa é aquele com o qual você se dá melhor e tem maior conhecimento. A ideia aqui é de dar algumas dicas de como se comportar diante do seu cliente, a organização do fluxo do trabalho, entre outras.

1. Pratique, pratique e pratique

Para iniciantes da área, a primeira dica é ==praticar==. No início você não terá o que mostrar, portanto, dificilmente você conseguirá clientes sem um portfolio. Crie alguns logos fantasmas (de empresas fictícias), recrie e modifique alguns logos já existentes.

2. O lápis e o papel são seus melhores amigos

Muitas vezes sofremos bloqueios criativos e isso é normal, mas é muito mais comum se você utiliza apenas o computador para “rabiscar” e conceber as primeiras ideias. Acredite, você se sentira mais livre em rabiscar suas ideias num papel qualquer.

3. Conheça a sua ferramenta de trabalho ao máximo

Apesar de citar no tópico anterior que o papel e o lápis são seus melhores amigos, vale lembrar que o conhecimento da ferramenta de trabalho é extremamente imprescindível. Procure saber o que cada ferramenta dentro do programa faz, busque tutoriais pela internet. Conheça como a palma da sua mão e aumente suas possibilidades criativas.

4. Crie um acervo de referências

Ao longo da sua vida, tenha o costume de sempre guardar como referência tudo aquilo que te agrada. Na hora de criar um determinado logo ou qualquer outro material gráfico, elas poderão lhe ajudar a guiar sua criatividade. Mas lembre-se: nada de plágio. Isso pode por um ponto final na sua carreira.

Existem alguns sites nos quais você tem acesso a trabalhos muito bons e inspiradores como logopond.com, behance.net e designspiration.net por exemplo.

5. Exija do seu cliente

Para um resultado satisfatório do seu trabalho, no mínimo você precisará estar munido das principais informações sobre a empresa e isso só o cliente pode lhe fornecer. Tais como: ramo de atuação, público-alvo, concorrentes, história e missão da empresa. Crie um formulário padrão e entregue a todo cliente antes de iniciar qualquer projeto, assim você garante as informações essenciais para início do seu trabalho.

6. Não assuma uma responsabilidade maior que a sua capacidade

É muito comum que quando você começa a ficar reconhecido profissionalmente, muitas pessoas/empresas o procurem requisitando seu trabalho quase que ao mesmo tempo. Nessa fase, é importante você assumir apenas aquilo que cabe dentro do seu limite de produção. Acumular muitos jobs e prazos apertados pode afetar o seu rendimento e como consequência a sua reputação. Seja honesto com os seus clientes e determine prazos de entrega que realmente poderão ser cumpridos.

7. Atravesse o seu bloqueio criativo

Como já citei, o bloqueio criativo é muito comum entre os profissionais da área. Quando isso acontecer, pare de fazer o que está fazendo e faça outras coisas, pratique outras atividades e quem sabe, retome seu trabalho no dia seguinte. Essa janela que você terá até voltar ao seu trabalho pode ser muito benéfica para o seu desempenho.

Espero que tenha gostado das dicas. Quer saber mais sobre logo e identidade visual? Confira o nosso curso sobre o assunto:

MOGRT - Criar e compartilhar templates entre Premiere e After Effects
Curso de MOGRT - Criar e compartilhar templates entre Premiere e After Effects
CONHEÇA O CURSO

Até a próxima! 😉