Carreira

Dicas para se destacar no seu mercado em 2020

É difícil falarmos em mercados ou setores com pouca concorrência, seja no audiovisual, no design ou em qualquer outra área. Seja o que você for fazer, certamente existirão outros profissionais que já o fazem ou que irão fazer aquilo a que você se propôs. Por isso, é importarte criar diferenciações que possam te colocar sempre um degrau acima dos seus concorrentes. Vamos ver algumas dicas?

Mantenha-se atualizado

Essa talvez seja a dica mais importante e por isso merece estar no começo deste artigo: MANTENHA-SE ATUALIZADO. Apesar de você certamente saber a importância disso, vale sempre relembrar. As tecnologias e tendências estão em constante evolução em nossos mercados, por isso é extremamente importante que você acompanhe esse ritmo. Algumas dicas são:

  • Adquira cursos – Hoje em dia é muito comum encontrar cursos espalhados pela internet, sejam eles pagos ou gratuitos. Vai depender de você analisar qual irá lhe entregar aquilo que você realmente precisa aprender.
  • Acompanhe outros profissionais da área – Acompanhar profissionais que você admira é muito fácil nos dias de hoje e isso pode ser enriquecedor para sua carreira ou negócio. Utilize seu perfil do Instagram, Youtube e outras plataformas sociais para consumir esse tipo de conteúdo.
  • Material de trabalho atualizado – Sabemos que equipamentos e softwares podem ser bastante caros, mas procure sempre se manter o mais atualizado possível para que você possa entregar trabalhos com alto nível de excelência.
Pareça grande, mesmo ainda sendo pequeno

Esta é a dica que eu mais gosto de citar, porque muitos, até hoje, não entendem a real importância de parecer grande e profissional, mesmo tendo poucos funcionários ou trabalhando por conta própria. Uma boa identidade visual e alguns outros cuidados com a sua marca ou presença podem ser o fator decisivo. Seu cartão de visitas é o seu primeiro contato com o seu cliente e ele precisa gerar confiança. Para isso,

  • Tenha uma identidade visual bem construída e profissional. Ela pode ser o primeiro contato com o seu possível cliente.
  • Tenha um site bem construído e intuitivo, com o nome da sua empresa na url da sua página e de preferência terminada em “.br” (exemplo: www.nomedasuaempresa.com.br). Isso também vale para o seu e-mail de contato (exemplo: contato@nomedasuaempresa.com.br)
  • Organize seu portfólio e o mantenha atualizado a fim de reter a atenção e a curiosidade do seu visitante. Não é necessário apresentar todos os seus trabalhos. Dê preferência aos melhores!
  • Mantenha suas redes sociais ativas, com conteúdos relevantes ao seu público. A tendência é que eles confiem em você ou na sua empresa a partir do momento que te enxergam como autoridade no assunto.
Entregue mais do que o esperado

Isso não precisa se tornar uma regra, mas quando o fizer, certamente ganhará o coração do seu cliente. A expressão “overdelivery” é bastante utilizada no marketing quando o assunto é entregar mais do que o cliente esperava ao contratar um serviço ou na compra de um produto. Superar as expectativas é sempre uma ótima estratégia para reter seus parceiros e ganhar de vez a confiança e a preferência deles.

Encontre seu diferencial

Se todos os profissionais da sua área, incluindo você, seguirem os passos que vimos até agora, dificilmente alguém conseguirá algum destaque relevante dentro do mercado, não é mesmo? Então esta talvez seja a dica de ouro: Diferencie-se!

Procure alguma característica exclusiva, seja na sua entrega, na sua produção, no estilo do seu trabalho ou na experiência que você cria para os seus clientes e transforme-a na sua marca registrada.

Uma outra maneira, é se tornar especialista num determinado nicho ou estilo de trabalho. Se posicionar dessa maneira, pode gerar um grande grau de confiança pelos seus clientes e criar desejo naqueles que ainda se tornarão.

É isso! 🙂 Estas são algumas dicas que você pode ir colocando em prática para se destacar no seu mercado em 2020. Gostou do artigo? Deixe um comentário abaixo! Até a próxima!

7 coisas que você deve saber para ter sucesso na carreira de editor

Quem sonha em viver de produção audiovisual, seja como filmmaker, seja como editor, precisa obter conhecimentos sobre os softwares, as rotinas e os equipamentos importantes para ingressar na área, afinal, para ser uma pessoa reconhecida e ter sucesso na carreira de editor, é fundamental traçar um bom planejamento e dominar o que está fazendo.

Para ajudá-lo a ter sucesso, preparamos uma lista de dicas do que você, freelancer ou empreendedor, precisa fazer para estruturar-se, manter-se e progredir na área de audiovisual. Acompanhe!

PhoneGap - Apache Cordova Mobile Framework
Curso de PhoneGap - Apache Cordova Mobile Framework
CONHEÇA O CURSO

1. Estabeleça um networking

São várias as possibilidades no mercado audiovisual, e estabelecer uma boa rede de contatos pode tornar seu trabalho mais procurado, possibilitando parcerias para os projetos, troca de experiências e indicações. No entanto, isso não pode ser uma “via de mão única”, pois criar um network é manter uma cooperação mútua.

Essa é uma prática que está ligada ao seu marketing pessoal, a partir do momento em que você demonstra ser uma pessoa interessante ao ponto de as outras pessoas notarem e quererem estar perto — isso pode ser vantajoso no mundo corporativo.

Ser gentil e prestativo com colegas de trabalho e com os clientes são ações-chave que contribuem para o seu network, afinal, ninguém quer ficar perto de quem não trata as demais pessoas com respeito, não é verdade?

2. Mantenha-se atualizado

Sempre que possível, é importante fazer uma reciclagem de informações e estudar novos programas e ferramentas que são lançados e atualizados, pois isso fará com que você esteja ligado nas tendências de mercado e diferencie-se daqueles profissionais que preferem ficar na mesmice.

Ter uma noção exata de como utilizar os softwares facilita — e muito — o trabalho, porque otimiza o tempo de edição de um vídeo, por exemplo. Quando se sabe sobre as novas ferramentas que podem melhorar ou expandir as possibilidades do trabalho, sendo que os softwares estão em constante atualização, as tarefas executadas tornam-se mais eficientes.

Além disso, fazer cursos de capacitação é importante para estar em constante evolução, logo, invista em aulas que possam oferecer o embasamento necessário para trabalhar em ferramentas como essas, sejam elas simples, sejam elas complexas.

Produção de vídeos para internet: Da gravação à publicação
Curso de Produção de vídeos para internet: Da gravação à publicação
CONHEÇA O CURSO

3. Estude o projeto

Quando fizer a edição de algum vídeo, é importante ter atenção ao roteiro e ao briefing que foram enviados, para que não haja erros durante o projeto, comprometendo todo um trabalho e, principalmente, minimizando a confiança do cliente.

É primordial dar uma atenção ao roteiro enviado, verificar o que foi passado no briefing e não ter medo de tirar dúvidas com o cliente, ou sugerir ideias, já que isso será importante para entender a fundo o projeto e o objetivo do vídeo planejado.

Identifique se não está faltando algum elemento que seja primordial para executar a edição, pois, por mais que o seu cliente não disponha de organização, você deve tê-la para ser um bom profissional na área.

4. Deixe seus trabalhos organizados

Para quem está dando os primeiros passos na carreira, uma dica de ouro é sempre ajeitar os trabalhos de edição em pastas e salvar cópias em backup, pois, assim, você minimiza o risco de, caso a máquina utilizada dê algum problema, perder arquivos importantes.

Existem diversos serviços de nuvem disponíveis, como o Google Drive, o Dropbox, o iCloud, o OneDrive, entre outros, que podem ser utilizados para salvar os projetos. No entanto, fazer cópias de segurança dos arquivos brutos, em HD externo, também é um ação imprescindível.

Além disso, manter o backup dos arquivos brutos, mesmo depois de o job ter sido aprovado, é primordial, afinal, nunca se sabe quando um cliente pode precisar novamente de uma nova versão do trabalho.

5. Registre tudo que for acertado

Quando se está negociando com alguém, sempre é importante documentar isso, até mesmo, para evitar contratempos futuros e surpresas indesejáveis ao finalizar um projeto contratado.

Cada parte da negociação precisa estar muito clara, então, de preferência, combine o máximo de coisas por e-mail, pois negociar verbalmente pode ser uma jogada arriscada e, no final das contas, você pode sair perdendo por não ter provas.

Ter esse histórico arquivado dá a segurança de executar seu trabalho sem se preocupar se está tudo bem acertado e, havendo questionamento de qualquer informação que não conste no que foi pedido, você já terá em mãos uma forma de argumentar.

6. Emita notas fiscais

A partir do momento em que seu próprio negócio estiver tomando forma, será necessário regularizar o processo e emitir notas fiscais para seus clientes, afinal, emitir um comprovante da negociação é a forma do freelancer não perder a oportunidade de fazer o job.

Agir dentro da lei é algo que você deve ter como prioridade, pois isso aumenta sua credibilidade perante o mercado audiovisual e mostra que você realmente deseja ser um profissional respeitado, cumprindo com suas obrigações tributárias.

Para isso, sendo freelancer, você pode se registrar como Micro Empreendedor Individual (MEI), enquadrando-se, assim, no sistema do Simples Nacional de tributação, que isenta de várias taxas e facilitando o processo de início de uma empresa. O Empreendedor Individual pode faturar até 81 mil por ano, pagando apenas um pequeno imposto fixo por mês de cerca de R$ 60.

Se pretende abrir uma empresa em sociedade, ou se tiver um faturamento superior ao teto do MEI, pode optar por abrir uma Micro Empresa (ME) e, nesse caso, o imposto por nota fiscal varia de 4% até 17,42%, dependendo do ramo de atuação, e é obrigatório a contratação do serviço de contatabilidade.

No entanto, não se esqueça de fazer seu imposto de renda pessoal, já que pagar em dia seus impostos de pessoa jurídica não o dispensa de sua obrigação como pessoa física.

7. Dê valor ao seu trabalho

A menos que você queira fazer parte do terceiro setor e montar uma ONG, saiba que deve se valorizar e exigir um pagamento justo pelo serviço prestado. Muita gente vai achar que o que você faz é um hobby, mas, nesse momento, o seu profissionalismo deve sobressair e deixar claro que você realiza um trabalho digno de retorno.

Estabeleça uma tabela de preços de acordo com o que é pago no mercado e deixe isso bem claro no processo de negociação com os clientes, já que muitos deles vão querer argumentar e pedir desconto, achando que o preço não condiz com o nível do trabalho. Lembre-se de que o seu conhecimento vale muito.

Saiba se impor nas conversas de negócios e trace qual o ganho pretende obter, pois ter um planejamento financeiro será fundamental para que o negócio vá para a frente e para que você consiga, além de se sustentar, ter uma grana extra.

Se você tem essa intenção clara de ter sucesso na carreira de editor, não meça esforços para correr atrás do que almeja e estude bastante para se aprimorar cada vez mais, pois dominar os processos da produção audiovisual é fundamental para estruturar um bom projeto.

Então, o que achou dessa lista que preparamos para você? Correspondeu ao que esperava? Agora, não deixe de seguir nossas redes sociais, estamos no Facebook, no Twitter, no YouTube e no Instagram. Até a próxima!

Adobe Media Encoder CC - Render e conversão de vídeos
Curso de Adobe Media Encoder CC - Render e conversão de vídeos
CONHEÇA O CURSO

Como ser um freelancer de sucesso na carreira de edição de videos

Hoje, além dos vídeos serem os queridinhos do algoritmo de qualquer rede social, eles também são os principais responsáveis pelo tráfego mobile do mundo. Por isso, a área audiovisual está em alta e é uma excelente escolha para você que quer ser um freelancer profissional.

Para se desenvolver nessa área, especialmente trabalhando como freelancer, é necessário muito mais do que apenas conhecimento sobre os softwares de edição. Para te ajudar nessa missão, separamos 5 dicas que vão te ajudar a se tornar um freelancer de sucesso na carreira de edição de vídeos. Continue lendo para saber mais!

Produção de vídeos para internet: Da gravação à publicação
Curso de Produção de vídeos para internet: Da gravação à publicação
CONHEÇA O CURSO

1. Saiba administrar o seu tempo

Nossa primeira dica para você que quer ter sucesso trabalhando como autônomo, é saber administrar e otimizar o seu tempo. Como não existe a necessidade de cumprir um horário fixo, é comum que os freelancers — pelo menos os iniciantes — tenham dificuldade em criar uma rotina de trabalho.

Entretanto, esta organização é fundamental para que você consiga dar conta de todas as entregas dentro do prazo prometido e com a melhor qualidade. Estabeleça metas e defina pelo menos uma quantidade fixa de horas para trabalhar por dia, assim você não se perderá entre as demandas e a diversão.

Existem vários artifícios que você pode utilizar para manter a produtividade, como a técnica Pomodoro e até algumas ferramentas ou softwares que ajudam a organizar seu tempo, como Wunderlist.

No começo, pode ser difícil criar esta rotina, mas com dedicação e o uso de tecnologia, você conseguirá fazer mais entregas em um mesmo período de tempo. Ou, caso prefira, ganhar umas horas extras de descanso. Vale a pena se organizar!

2. Tenha um portfólio atualizado

Ter um bom portfólio e mantê-lo sempre atualizado também é fundamental para você que deseja trabalhar como freelancer. Afinal, ele é um instrumento muito importante para conseguir mais clientes.

Nesta área, em vez do currículo, será solicitado o seu portfólio, pois somente ele poderá mostrar tudo aquilo que você é capaz. Entretanto, lembre-se que nem sempre o potencial contratante terá tempo e paciência de assistir todos os seus vídeos, especialmente se forem produções longas.

Por isso, selecione os seus melhores trabalhos e monte um Demo Reel ou vários promo vídeos. Um Demo Reel é um vídeo editado que deve conter cenas dos seus melhores trabalhos, os promo vídeos devem ser trechos das produções, sem nenhuma edição posterior. Ambos funcionam muito bem para um portfólio audiovisual.

Por fim, caso não seja possível apresentar pessoalmente os vídeos, o mais indicado é disponibilizá-los em uma plataforma própria para portfólios, como o Behance ou mesmo em sites como YouTube ou Vimeo. Assim, além de poder enviar o material sempre que estiver prospectando um cliente, você também poderá ser encontrado por alguém procurando um serviço que você oferta.

3. Faça networking e procure receber indicações

A vida de freelancer também envolve muito networking. Sua rentabilidade vai depender do número de clientes e dos trabalhos que você entrega, portanto, é sempre bom estar de olho nas oportunidades e, mais do que isso, trabalhar para criá-las.

As duas melhores formas de fazer isso são por meio do networking e de indicações. Na medida do possível, participe de eventos da área ou mesmo de encontros do estilo “rodadas de negócios”. Muitas vezes os empresários que estão nesses espaços precisam de um profissional de audiovisual. Esteja com seu cartão de visitas na mão e procure estabelecer ligações com as pessoas.

Além disso, procure sempre entregar um trabalho de qualidade e no prazo combinado. A melhor forma de conquistar novos clientes é atendendo bem os que você já tem, pois serão eles que te indicarão para amigos e conhecidos. E nós sabemos que hoje em dia uma indicação vale muito, não é?

4. Mantenha-se atualizado e faça cursos na área

Para ser um freelancer de sucesso, é fundamental estar sempre atualizado e fazer cursos na área. Você precisa ter muito conhecimento e dominar os softwares mais modernos de edição de vídeo, como o Premiere Pro e o Da Vinci Resolve, se quiser encontrar espaço no mercado.

Não dá para querer ter clientes entregando apenas o básico, especialmente se você considerar que está competindo em um mercado com agências e produtoras e não somente com outros profissionais autônomos.

Além de todo conhecimento e atualização que os cursos oferecem, eles também são excelentes espaços para networking. Lá, você pode não só trocar conhecimentos e dicas com outros colegas de curso, mas também encontrar parceiros e até mesmo arrumar alguns trabalhos.

E o melhor é que hoje, com tantas alternativas de excelentes cursos online, é possível se aperfeiçoar no período e no horário mais adequado para você e sem custos extras, como deslocamento e alimentação, no caso de uma viagem para um curso, por exemplo.

5. Invista em um bom equipamento

Ter um bom equipamento faz toda a diferença entre ser um freelancer e ser um freelancer de sucesso. O computador que você utiliza impacta não somente na qualidade do seu trabalho, mas também na quantidade de entregas que você consegue fazer.

Otimizando seu tempo, você consegue trabalhar mais e ganhar mais. Por isso, considere a compra de um bom equipamento não como um gasto, mas como um investimento na sua carreira.

Para conseguir editar vídeos sem travamentos, recomendamos um computador com boa capacidade de memória RAM, com um bom HD e uma placa de vídeo potente. Além disso, é necessário investir em um monitor de qualidade e também em boas caixas de som, para evitar distorções que podem comprometer a finalização do vídeo.

Por fim, também recomendamos que você tenha HDs externos para fazer backups do material bruto. Como os vídeos são pesados, você vai precisar de bastante espaço para guardar o material. Utilize algum serviço de cloud computing para fazer armazenamento de documentos, projetos e para transferir arquivos para o cliente.

Se você tem interesse em trabalhar ou já trabalha como freelancer no ramo de edição de vídeos, essas 5 dicas são bastante valiosas e ajudarão a melhorar o seu trabalho, tanto em qualidade quanto em capacidade de entrega. Vale a pena estar atento e investir nelas, mesmo que no começo algumas coisas sejam um pouco difíceis, como lidar com a administração do tempo e a compra de equipamentos.

Se você quer ser um freelancer de sucesso e se especializar ainda mais na área da edição de vídeos, conheça as nossas opções de cursos. Com certeza temos algum que poderá te ajudar a chegar lá!

Produção de vídeos para internet: Da gravação à publicação
Curso de Produção de vídeos para internet: Da gravação à publicação
CONHEÇA O CURSO

Dicas para definir o valor de seu trabalho audiovisual

Definir um valor a seu trabalho é uma tarefa muito complexa, e mesmo profissionais com anos de experiência têm dificuldade para defini-lo. É muito comum se auto desvalorizar, com medo de perder aquele job legal, ou criar grandes expectativas de salários altos e se frustar ao procurar por vagas de trabalho. Provavelmente, você já passou por uma situação de aflição, com medo que o cliente não vá aprovar seu orçamento, ou decepcionado ao saber que podia ter cobrado muito mais – quando o cliente aprovou o seu valor instantaneamente, sem nem ponderar.

Mas então, como definir o valor de seu trabalho, para que ele seja justo para você, seu cliente e o mercado de trabalho em geral?

No meu dia a dia, quando vou aceitar uma oferta de emprego fixo, ou definir o valor a ser cobrado em um job freelancer, sigo alguns indicadores importantes, como o número de horas trabalhadas, quantos dias na semana, importância do job para o cliente e minha responsabilidade dentro do projeto. Além disso, quando você for analisar esses indicadores, deve também entender sua realidade como profissional, qual seu nível de desenvolvimento, concorrência e pisos salariais em seu local de atuação. Somente entendendo sobre você mesmo como profissional, e a realidade do trabalho, é possível chegar a um valor coerente.

Seu perfil profissional

Comece fazendo uma análise crítica sobre você e sua jornada profissional. Imagine-se como seu possível empregador e analise quais são seus pontos positivos, o que você tem a oferecer e o que ainda está faltando para se tornar um profissional completo.

Quanto mais avançado seu nível de estudos, competências e responsabilidades, maior será seu preço. Leve em consideração que toda a jornada para chegar aonde você está teve um custo. O tempo de trabalho e suas experiências vividas também são considerações importantes para chegar ao um valor, pois garantem a seu cliente que você tem a competência e experiência para realizar aquele serviço, e que já passou por dificuldades e potenciais problemas e sabe como superá-los.

Da mesma forma, se você está iniciando na carreira, ainda não tem a agilidade e autonomia para trabalhos que necessitam de maior responsabilidade. O cliente estará fazendo uma aposta em você, trocando a certeza de um profissional experiente, por um valor um pouco menor de mão de obra, que, claro, com o incentivo correto também poderá realizar um trabalho incrível – e ainda trazer algo inovador de uma mente sem os vícios adquiridos após um longo tempo realizando o mesmo serviço.

O tipo de profissional que você se definir influenciará diretamente nos tipos de cliente e trabalhos que irá procurar. Poderá aceitar grandes responsabilidades e dificuldades de um vaga sênior, ou iniciar sua jornada com pequenos jobs. É um longo caminho até a maturidade profissional e nessa jornada seu valor irá progredindo junto com o seu reconhecimento no mercado, com o leque de contatos, cliente e networking que criará a cada novo serviço.

É valido reconhecer quando um trabalho excede seu nível de conhecimento e ter uma conversa franca com seu cliente, para discutir se realmente é o profissional certo para a vaga. Da mesma maneira que é importante o profissional mais reconhecido saber dispensar os trabalhos que não são compatíveis com seu perfil, que tem orçamentos inferiores ao seu valor hora ideal e que poderiam estar ajudando a formar carreira dos novos profissionais. É necessário muita maturidade para abrir mão de um job e indicá-lo a outro profissional, mas, para quem tem um nível de reconhecimento no mercado, é mais lucrativo manter a agenda livre do que aceitar um job sem potencial.

Concorrência em seu mercado

Mas não adianta apenas idealizar quem você é ou gostaria de ser profissionalmente. Você tem que conhecer o mercado de trabalho que está inserido e como você se encaixa nele. Você só poderá garantir um valor hora de trabalho compatível com seu interesse se houver vagas em potencial para isso.

O avanço de plataformas online com ferramentas de marketing baseadas em vídeo possibilitou o surgimento de diversas novas oportunidades de trabalho no setor audiovisual. Hoje, além de trabalhos com cinema, que são na maioria subsidiados por editais públicos, de trabalhos em emissoras de televisão e empresas focadas em eventos sociais, há também um grande leque de oportunidades para trabalhar autonomamente, ou até mesmo em agências e produtoras com foco em criação de conteúdo publicitário para web. Junto a essa abertura de mercado, com novas vagas e oportunidades, surgiram novos tipos de clientes, que agora tem a possibilidade e necessidade de criar conteúdo para autopromoção – algo que antes só cabia em grandes orçamentos compatíveis com o valor de mídia de televisão, mas que agora pode ser distribuído até de graça via mídias sociais. Essa urgência para estar nessas novas mídias faz com que empresas procurem esse serviço mesmo sem ter um orçamento adequado, o famoso “preciso do serviço, só não tenho verba disponível”.

Consequentemente, isso cria a ilusão de que o mercado está desaquecido, desvalorizado e que os trabalhos de vídeo estão cada vez mais baratos. Isso não deixa de ser verdade. Há cada vez mais empresas procurando por serviços baratos e profissionais oferecendo esses serviços. Mas há também diversas vagas para profissionais qualificados.

Imagine assim: a sapataria da esquina de sua casa pode precisar de um vídeo para se promover em algum página de negócios locais. Ao mesmo tempo, a NIKE precisa de um conteúdo para o lançamento de um novo produto. Esses dois clientes existem, possuem valores de investimento diferentes e, também, expectativas de retorno diferentes.

Mas e o tipo de trabalho que você exerce? E o mercado que está inserido? Como é a sua realidade? Há vagas em agências e produtoras sérias? Existe clientes grandes que precisam de filmmakers qualificados? Ou na sua cidade há apenas oportunidades pequenas?
Essas respostas irão moldar o tipo de investimento que você deve fazer, como e qual cliente abordar, ou até mesmo se você não poderia mudar para outro mercado de trabalho.

Pisos e sindicatos

Como há um grande contraste entre os diversos tipos de trabalhos e clientes, vamos analisar a variação de salários sobre algumas perspectivas diferentes:

Edição de vídeo:

De acordo com o SINE, site nacional de empregos, o piso médio para editor de VT está entre R$ 1369.04 e R$ 3448.02, dependendo do porte da empresa contratante e seu nível de conhecimento.

No site de vagas LoveMondays, os salários oferecidos por grandes empresas pode chegar em até R$ 7.085, como é por exemplo na Conspiração Filmes.

Diversas funções:

No Sindcine, Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Cinematográfica e do Audiovisual que representa os estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins e Distrito Federal, há 4 tabelas de pisos salariais, divididas por tipos de projetos audiovisuais. As tabelas de piso são referentes a 6 horas diárias quando às filmagens forem realizadas em estúdio e de 8 horas diárias quando as filmagens forem realizadas em ambiente externo, e abordam diversas funções do meio audiovisual.

A Catho, empresa de recursos humanos, apresentou as médias salariais da área de cinema em 2015:

  • Coordenador de produção – R$ 6.773
  • Editor de texto- R$ 3.849
  • Produtor – R$ 2.518
  • Cinegrafista – R$ 1.767
  • Editor de vídeo – R$ 1.697
  • Engenheiro de som – R$ 1.697
  • Editor de produção – R$ 1.554
  • Operador de câmera – R$ 1.524
  • Operador de microfone – R$ 1.490
  • Contrarregra – R$ 1.480
  • Operador de equipamento – R$ 1.358
  • Assistente de produção – R$ 1.179
  • Operador de controle mestre – R$ 1.152
  • Operador de audiovisual – R$ 1.147
  • Editor de imagens – R$ 1.034

Importância e retorno do trabalho para o cliente

Nem sempre aquele job em potencial estará alinhado aos valores de mercado. É importante entender que cada produto audiovisual tem um valor diferente. Como dito antes, um vídeo publicitário para uma sapataria do bairro terá um retorno financeiro muito menor que o lançamento de um produto novo feito pela NIKE, e, consequentemente, terá uma importância menor ao cliente. Essa expectativa de retorno financeiro que o vídeo trará é o que o cliente considera como “valor”. Para ele, o vídeo não é definido pela câmera usada ou pelas técnicas de edição, e sim por seus resultados financeiros.

Uma estratégia de precificação que sempre uso em meus orçamentos é alinhá-los às expectativas de retorno do cliente. Se é um job de grande importância, que será distribuídos em muitas mídias e definirá o valor de uma empresa ou produto para o publico, o cliente terá grandes expectativas quanto a esse trabalho – e nós grandes responsabilidades, já que será de suma importância o máximo de dedicação durante a produção. Por outro lado, há clientes que querem usar vídeos em suas estratégias de marketing, mas não os consideram como um elemento chave, e esperam um retorno menor do mesmo. Proporcionalmente, para eles, o produto audiovisual que oferecemos tem menor valor.

Criar um equilíbrio entre o valor do seu trabalho e o valor que esse job terá para seu cliente garantirá uma boa remuneração e uma maior garantia de aprovação de orçamentos.

Custo vs Lucro

O lucro de um trabalho não é o preço cobrado do cliente pelo serviço. Para chegar ao valor real de lucro, temos que deduzir do valor bruto todos os custos diretamente relacionados a produção e os nossos gastos fixos durante o tempo que estivermos naquele projeto.

Todos nós temos um custo de produção e desenvolvimento, e isso independe da função que realizamos na equipe. Se você é editor, tem custos com hardware, softwares. Se é cinegrafista, tem custos com câmeras, lentes, seguro. Se é maquiadora, terá gastos com maquiagens – e assim por diante. Temos ainda os gastos com estudos, deslocamento, alimentação, impostos, entre outros.

Leve todos os seus gastos em consideração ao construir seu orçamento ou aceitar aquele trabalho fixo numa produtora. Isso é importante para evitar chegar no dia do pagamento com um saldo negativo entre o valor recebido e seus custos.

Para trabalho fixo fica fácil chegar no valor, basta calcular seus gastos fixos, somar os novos gastos referentes ao trabalho que irá aceitar e incluir o valor mínimo que gostaria de receber como de lucro ao mês. Esse será seu ponto de partida. Porém, se você é freelancer, essa tarefa é mais complexa, pois terá que diluir seus custos entre os serviços que presta por mês, e ainda terá que considerar todos os gastos extras de administrar uma empresa própria.

Uma estratégia muito útil para definir o valor de seu trabalho como freelancer é definindo um valor hora. Calcule qual o salário médio que gostaria de ter no mês e some todas as suas despesas nesse período, depois divida pelo número de horas que irá trabalhar no mês – algo próximo ao de uma jornada de trabalho normal de 144 horas/mês, e esse será o valor mínimo a ser cobrado por sua hora de trabalho. Caso vá montar um orçamento com valor fechado, estabeleça um número de horas que pretende ficar focado somente neste projeto e multiplique pelo seu valor hora.

Por exemplo:

  • Meta no mês: R$ 6.000,00
  • Custos fixos: R$ 2.500,00
  • Horas trabalhadas no mês: 120 (5 horas por dia, 5 dias na semana)
(6000 + 2500) / 120 = 70
  • Hora mínima: R$ 70,00
  • Horas focadas no projeto: 50 horas (inclua refações e possíveis horas extras)
70x50 = 3500

Orçamento final: R$ 3500,00

Se você tem dificuldades em fazer esses cálculos, a ferramenta gratuita “Quanto custa a sua hora” pode lhe ajudar a definir um valor. Nela são considerados seus gastos fixos como aluguel, hardwares, impostos, etc. E apesar de ser pensada para os trabalhos de programação e design, você pode customizá-la na ultima etapa, adaptando para o seu tipo de trabalho.

Marketing

Da mesma maneira que seus clientes estão lhe contratando para produzir vídeos publicitários e assim fortalecer suas marcas e aumentar os seus lucros, você também terá que fazer o seu marketing. Oferta e procura é lei no mercado de trabalho. Se há pouca procura dos nossos serviços, somos obrigados a baixar o nosso orçamento para garantir os clientes que aparecem, afinal, todos temos contas para pagar. Então, para manter o valor médio que gostaríamos de ganhar, precisamos trabalhar nossa imagem junto aos clientes em nosso mercado de trabalho.

Faça networking com outros profissionais do meio, construa parcerias, tenha um bom relacionamento com seus clientes, divulgue seus trabalhos em redes sociais, crie e promova conteúdos autorais. Quanto mais visível estiver seu trabalho, mais clientes lhe pedirão orçamento. E com o tempo, poderá escolher quais jobs estão alinhados com seu perfil e mantêm o valor médio estabelecido, e quais você irá passar para outros profissionais da área.

Conclusão

Para cobrar eficientemente não há uma única tabela ou um valor definitivo. Tudo depende de quem você é, qual o seu mercado e o valor que o trabalho orçado tem para o seu cliente. Podemos assim definir que o valor final depende de três critérios principais:

  • Quem é você: área de atuação, custos e metas;
  • Qual o mercado que você está: tipo de projeto, piso médio e ofertas disponíveis;
  • Qual o valor daquele trabalho para o cliente.

Agora, se você ainda está a procura de um caminho para ingressar na carreira de audiovisual, dê uma olhada na matéria de semana passada sobre como iniciar a sua jornada profissional em audiovisual.

Como iniciar a sua jornada profissional em audiovisual

Se você é estudante de audiovisual ou iniciante nesta carreira, deve ter percebido como não é simples e claro qual caminho seguir para entrar de vez no mercado de trabalho e começar a sua carreira com o pé direito.

Como professor há mais de 6 anos, já convivi com muitos alunos, de diversos níveis de experiência e estudo, e posso afirmar que essa dificuldade não é só sua – é a pergunta mais recorrente que recebo de meus alunos: “Como começar a trabalhar com vídeo?

Admito que meu início de carreira foi sortudo. Meu padrinho, que é também editor de vídeos, possuia algumas ilhas de edição que alugava para produtoras. Em uma delas, ele precisou de um editor assistente e essa foi minha primeira oportunidade. Isso foi em 2006: o Premiere Pro estava ainda em sua versão 2.0 (que era muito ruim), o padrão de edição era na plataforma AVID, os vídeos ainda nem chegavam em formato digital, e sim em fitas MINI DV – era necessário digitalizar todo o material. “Play e rec”, esse era o meu trabalho.

Imagem Mini DV

Essa primeira experiência durou pouco mais de 6 meses, e me ajudou a entender o que era a profissão e o que eu deveria começar a estudar. Como assistente, não consegui montar um portfólio e não possuía ainda nenhum curso ou certificação na área. Foi quando me mudei de São Paulo para Curitiba, e tive que ir atrás de trabalho novamente – dessa vez sem padrinho, contados, cursos e nem portfólio. Foi bem complicado. Levei quase um ano para voltar ao mercado de audiovisual.

Somando experiências minhas e de meus alunos, consigo notar que não existe um único modo para entrar nesta área, mas que algumas coisas são sim indispensáveis. Para definir sua estratégia é preciso uma avaliação individual – entender o mercado no qual você está inserido, a oferta e procura por conteúdo audiovisual, os cursos disponíveis, a qualidade de produção local e entender, principalmente, que perfil de profissional você é.

PhoneGap - Apache Cordova Mobile Framework
Curso de PhoneGap - Apache Cordova Mobile Framework
CONHEÇA O CURSO

Área de atuação

Se você está iniciando uma nova profissão, deve primeiro estudar sobre ela. Não há como realizar com qualidade e efetividade nenhuma função sem antes entendê-la. Você não precisa ser o maior conhecedor do assunto, mas deve imprescindivelmente compreender a rotina básica e ter vontade de sempre estudar.

Então, se você vai estudar, por onde começar? Provavelmente você tem essa dúvida, afinal, está lendo este texto. Para saber a resposta é preciso avaliar sua disponibilidade financeira e tempo – para assim escolher entre um curso livre presencial, um curso online ou uma graduação. Mas principalmente definir em qual área deseja atuar!

Vídeo é um formato onde você pode expressar uma opinião, criar conteúdo de entretenimento ou vender um produto. Pode também explorar diversas mídias como televisão, web, cinema. Vamos pegar como exemplo vídeos publicitários para a Web.

Se você fosse produzir um conteúdo publicitário, você precisa entender de:
Marketing: planejamento e roteiro;
Direção de cena: coordenação da produção audiovisual;
Direção de fotografia: construção da estética visual do filme;
Edição de vídeo e pós-produção: montagem, finalização, identidade gráfica.
Esses são alguns exemplos básicos de funções distintas dentro de uma produção audiovisual.

Você deve entender que vídeo é um trabalho em grupo. Existem diversas tarefas a serem realizadas no processo: desde a construção do roteiro, escolha do cenário, figurino, objetos de cena, à computação gráfica, color grading e distribuição. Você não deve e nem pode abraçar todas as funções de uma vez – escolha a área que mais lhe agrada. Se, por exemplo, você é um bom redator, estude roteiro para cinema ou publicidade. Porém, se gosta de fotografia, pode estudar direção de fotografia para vídeo. Ou até mesmo se você é, como eu, apaixonado por informática e tecnologia, pode estudar montagem, pós-produção, animação gráfica.

HTML5 e CSS3 - Desenvolvimento web Avançado
Curso de HTML5 e CSS3 - Desenvolvimento web Avançado
CONHEÇA O CURSO

Estudar por conta – O “Mito”

Depois de escolher uma área que você quer explorar dentro do mundo audiovisual, você deverá ir atrás de uma fonte de estudo. E nesse momento aparecerá o maior “mito” de todos. Tenho certeza que você já leu isso muito na internet: estudar completamente por conta.

Não estou dizendo que é impossível. Você pode muito bem instalar um software em seu computador e começar a apertar todos os botões, experimentar e testar cada uma das opções, e, com o tempo, começar a entender do que se trata a ferramenta. Os softwares estão cada vez mais intuitivos, tornando-os mais fáceis de aprender. Mas esse tipo de estudo tomará muito mais tempo, e será ineficiente em aprender como trabalhar de verdade. Você aprenderá a usar a ferramenta, mas não o que fazer com ela. Em outras palavras, aprenderá a fazer um corte no software de edição, mas não a construir uma obra audiovisual de qualidade, ou como atender as necessidades e expectativas de um cliente.

Dentro desse mito, há também a variante: estudar no Youtube. Primeiro entenda que essa opção não é estudar por conta, afinal, você está seguindo as instruções e orientações do profissional que produziu o vídeo que você estará assistindo. Esse é um bom começo, principalmente se você ainda não tem certeza da área de atuação que pretende seguir. Mas é apenas isso, um começo. Pelo Youtube você encontrará muitas aulas boas – e muitas aulas ruins. Tem que saber o que está procurando, e ter sorte nesta busca. Mas se você está começando, como saberá o que buscar, o que é prioridade e mais relevante em seus estudo? É aí que se destaca um bom curso.

Cursos livres e faculdade

Seja um curso livre presencial ou online, uma graduação ou uma aula de fim de semana, há um instrutor profissional, com uma meta didática bem estabelecida, disposto a lhe ensinar uma tarefa do começo ao fim – já lhe proporcionando uma estrutura didática eficiente, alinhada ao objetivo do curso.

Trabalhando com audiovisual, não é obrigatória uma graduação, pois poucas empresas pedem diploma para a contratação dos profissionais neste setor, com a pequena exceção de algumas emissoras de televisão. Porém, um estudo formal lhe oferece, além do diploma, a oportunidade de networking com outros profissionais, a criação de portfólio através de trabalho realizados no curso e um panorama abrangente sobre o trabalho. Você pode escolher cursos diretamente relacionados a vídeo, como Rádio e TV, Audiovisual, Cinema, ou até mesmo cursos indiretamente relacionados, como Marketing, Publicidade e Propaganda e Design Gráfico, por exemplo.

A graduação é um curso que aborda de maneira básica cada aspecto de um trabalho. Para cursá-la é necessário tempo, disciplina e, claro, o valor do investimento. Porém, muitos assuntos técnicos, básicos ou avançados não são abordados em cursos de graduação, mas são possíveis de serem estudados em cursos presenciais ou online.

Um curso online tem como vantagem seu baixo custo de investimento, oferta de certificado, material de estudos e pode ser assistido em qualquer hora ou lugar. O TreinaWeb oferece uma grande gama de cursos livres.

Livros e revistas também são boas fontes de estudo e um bom hábito para cultivar. Através de livros você pode aprender muito sobre teoria e fundamentos, enquanto revistas atuais podem lhe manter informado sobre as novidades do mercado.

Construção de portfólio

Seu processo de estudo é uma ótima oportunidade para começar a construir um portfólio inicial. Para muitas funções dentro da carreira em audiovisual é comum o contratante pedir junto de seu currículo uma apresentação de portfólio. Por exemplo, se você é editor, é possível que a empresa que está avaliando seu currículo peça o link de seu perfil no Vimeo com exemplos de edições que já fez. Ou se está atrás de uma vaga como fotógrafo, eles analisem seu perfil no Instagram ou 500px.

Vídeo é uma forma de arte. Mesmo que você ainda não tenha clientes, ainda assim, pode começar suas experiências com audiovisual. Pode, por exemplo, gravar e editar um vídeo de viagem, um mini-documentário com familiares ou pessoas de sua cidade, talvez um vlog, vídeo de receita, análise de cinema ou animações – há muito o que explorar. Não tenha medo de usar o celular, editar em programas mais simples, pedir ajuda aos amigos. O importante é começar, mostrar interesse. Depois, quando empregado, a cada produção nova você pode lapidar seu material e suas habilidades.

Trabalhar de graça

Uma opção polêmica é se oferecer para trabalhar “de graça”. Isso é, entrar em um projeto audiovisual sem remuneração monetária, apenas com troca de experiência, dica e portfólio.

Considero essa uma opção muito nobre, e sou a favor de trocar algumas horas de trabalho por experiência. É uma ótima forma de fazer networking, conhecer outros profissionais e possíveis clientes, além de aprender muito. Mas tome cuidado.

Uma coisa é participar voluntariamente em um projeto não-remunerado ou de baixo orçamento para uma ONG, um curta-metragem ou um vídeo educacional. Outra coisa é trabalhar num projeto publicitário, com orçamento, no qual a empresa contratante está lucrando e poderia lhe pagar ao menos o valor de aprendiz, porém estão lhe explorando.

Freelancer vs funcionário

Existem duas opções para trabalhar com audiovisual: como funcionário fixo em uma empresa, recebendo um salário mensal, ou como freelancer, fazendo trabalhos pontuais e cobrando por trabalho. Cada um tem suas vantagens e desvantagens, nenhuma das opções é melhor ou mais agradável. Acredite, trabalhar como freelancer pode ser mais cansativo do que como funcionário fixo.

Como funcionário você tem a possibilidade de crescer, de aprender com os demais profissionais que convive no dia a dia, de errar e corrigir. Tem também a certeza de um salário fixo todo mês. Muitas empresas inclusive investem no treinamento dos funcionários, pagando cursos para o desenvolvimento dos mesmos. Mas, ao mesmo tempo, você tem uma responsabilidade diária, com prazos, metas e horários de trabalho. Produtoras de vídeo normalmente têm prazos e jornadas de trabalho bem longas, e você deve ser muito comprometido.

Como freelancer você pode de cobrar mais por sua hora de trabalho e tem um controle absoluto de sua agenda, definindo quando irá ou não assumir um novo projeto de trabalho. Mas, ao mesmo tempo, não terá nenhum tipo de garantia, tudo depende de você – desde a sua organização financeira até a busca por novos trabalhos. Para se dar bem como freelancer é precisa ter um perfil empreendedor e muita organização, além de ser muito bom de networking.

De porta em porta

A oportunidade de trabalho dificilmente aparecerá na sua frente espontaneamente. Você deve pôr a cara a tapa e oferecer seu serviço. Enviar seu currículo com portfólio por e-mail é uma opção – mas escreva muito bem, seja direto, claro e sério. Cuidado com gírias e erros ortográficos, o texto do e-mail será sua primeira impressão.

Mais eficiente que mandar e-mails é ir pessoalmente se apresentar nas produtoras e agências de sua cidade – não tenha medo nem vergonha. O empregador terá confiança em você se você passar essa confiança para ele.

Algumas ferramentas online podem lhe ajudar a encontrar vagas de trabalho, como o Tela Brasileira, o Catho e grupos do Facebook voltados ao setor audiovisual. Consegui meu primeiro emprego com audiovisual em Curitiba através de uma vaga no Catho.

Contatos são tudo!

Se você realmente quer ter sucesso na área, terá que fazer amizades, saber socializar e trabalhar em grupo. Como disse antes, vídeo é feito em equipe.

Faça amizade com o pessoal do atendimento, pois são eles que mais tem contato com clientes e podem te encaixar em algum projeto e levantar sua moral com a produtora e o cliente. Outro profissional importante de agradar é o diretor do filme, já que é dele a responsabilidade de fazer a obra ficar incrível – com isso, ele só se cercará de profissionais de confiança. Mostre a ele que você está lá para ajudar e para seguir seu direcionamento. O produtor também é uma voz importante na equipe – ele quem corre atrás de tudo o que é necessário para viabilizar o projeto, e inclusive pode indicar seu trabalho para o diretor.

Seja o melhor profissional que puder

Trabalho em equipe é a chave para um projeto audiovisual de sucesso, e você será uma das peças. Dê sempre o melhor de si, leve a sério o projeto, seja paciente com os demais colaboradores, atento aos pedidos do diretor e do cliente e faça amizades.

Quando não souber realizar por completo uma tarefa, não tenha medo em pedir orientação, vá atrás de cursos e se especialize. Cada dia será um novo aprendizado e tudo começa agora. Então, feche essa matéria e vá atrás do seu sucesso!

PhoneGap - Apache Cordova Mobile Framework
Curso de PhoneGap - Apache Cordova Mobile Framework
CONHEÇA O CURSO