Sample Rate: O que é e como configurar?

No artigo O que mudou do áudio analógico para o digital? vimos que no áudio digital passamos a trabalhar com amostras de som (notações binárias). O sample rate também chamado em português como taxa de amostragem, é o número de vezes por segundo que as amostras do som original são registradas pelo conversor A/D, logo está ligado diretamente ao registro das frequências e você pode encontrar maiores explicações nesse artigo que escrevi sobre Propriedades Física do Som: Altura.

A taxa padrão que costumamos encontrar é de 44.100 Hz, isso porque para que não tenhamos perda na qualidade de conversão a taxa deve ser igual ao dobro da frequência mais alta que ouvimos, que no caso é 20.000 Hz. Essa relação entre o limite da audição humana e o dobro de taxa de amostragem é expresso pelo teorema de nyquist. No processo de digitalização do som, a primeira etapa é feita pelo filtro AAF (Anti Aliasing Filter), que é responsável por proteger o material que está sendo gravado durante a conversão do analógico para o digital. Quanto maior for o sample rate, mais suavemente o filtro AAF irá atuar e maior será a quantidade de amostras registradas por segundo. Veja o gráfico abaixo analisando-o horizontamente:

Bom, mas se o ouvido humano é capaz de perceber frequências de 20 Hz até 20kHz, por que gravar em uma taxa maior que 44.1kHz já que essa seria a corresponde ao limite da audição humana? Porque, como expliquei no artigo Propriedades Físicas do Som: Timbre, o som carrega harmônicos, que são frequências múltiplas da fundamental, portanto, com mais harmônicos iremos enriquecer o espectro audível.

Em relação às mídias, padronizou-se que os equipamentos de vídeo em grande maioria trabalhariam em 48.000 amostras por segundo, já que essas amostras permitem o casamento perfeito entre os frames por segundo expressos em 29.97 (NTSC) e também 24, 25 e 30 frames. Já no CD, utilizamos convencionalmente 44.100 de sample rate. Veja a referência abaixo:

Gostaria de aproveitar e te dizer que não há problema algum usar taxas mais baixas! Tudo depende daquilo que você está registrando e de como você pretende finalizar esse material na pós produção. Nesse sentido, se o resultado final for um formato mp3 (com compressão e perda de dados) de pessoas conversando, como é o caso de um podcast, não há tanta vantagem usar resoluções altas, pois além de deixar o arquivo de áudio mais pesado, não fará diferença no resultado final. Porém, ao gravar uma banda ou orquestra que possuem diversos instrumentos ricos em detalhes e pensando o formato final do áudio em wav (sem compressão e perda de dados) é interessante escolher taxas maiores.

Bom, imagino que ficou evidente que o sample rate não atua nesse processo de digitalização do áudio sozinho, então no próximo artigo eu irei falar sobre Bit Rate.

Deixe seu comentário
Airton Júnior

Professor de áudio no AvMakers, Airton iniciou os estudos de música aos 6 anos de idade. É formado pelo “Conservatório Musical Souza Lima” no Curso Dinâmico de Áudio e Bacharelado em Audiovisual pelo Senac. Como violonista já se apresentou em programas como o “Encontro com Fátima Bernardes” e do TEDx, além de canais do youtube de grande reconhecimento. Como produtor musical, operador de som e mixagem, atuou com diversos nomes muito importantes do cenário nacional.