Como escrever uma análise fílmica

Nosso blog já ensinou você a analisar os significados de um filme, mas como ir, então, dessa análise de significados para a redação de uma análise fílmica? Novamente contamos com a ajuda dos teóricos David Bordwell e Kristin Thompson, no livro A arte do cinema: uma introdução. Para os autores, ao analisar um filme você se propõe a defender a sua visão de como as partes do filme funcionam em conjunto.

Eles exemplificam esse processo com uma canção triste. Você pode descrevê-la a partir da narrativa criada pela letra, ou avaliá-la como muito ou pouco sentimental, mas ao analisá-la você busca entender a maneira com que a letra, a melodia e a instrumentação estão trabalhando juntas para transmitir esse sentimento de tristeza. E como esse ensaio analítico se constitui como um texto argumentativa, você deve não apenas apresentar suas ideias sobre a música (ou, em nosso caso, o filme), mas desenvolvê-las e apresentar evidências para que elas sejam levadas a sério.

Bordwell e Thompson propõem três etapas preparatórias para a escrita:

  • Desenvolver uma tese que seu ensaio explicará e sustentará;
  • Esboçar uma segmentação do filme todo;
  • Encontrar exemplos significativos da técnica cinematográfica.

Comece se perguntando o que te chama mais atenção no filme, o que é curioso ou perturbador, como seus significados estão articulados… A partir dessas perguntas e respostas você começará a traçar a tese de sua análise – ou seja, a afirmação central de seu argumento. Para os autores essa tese será normalmente uma afirmação sobre as funções do filme, seus efeitos ou significados – ou até mesmo uma mistura dos três.

Para guiar sua escrita, pergunte-se: “o que sustentaria a minha tese?“. Algumas razões estão claras de início, mas outras podem serem descobertas no processo de análise.

Na próxima etapa, Bordwell e Thompson sugerem uma segmentação do filme a ser analisado. Para entender como as pequenas partes do filme se relacionam, precisamos ter uma visão ampla da forma geral do filme – tal qual uma planta de um prédio. Mas como os filmes não possuem essas plantas, eles sugerem que nós mesmos façamos esse trabalho a partir dessa segmentação.

A segmentação é um esquema escrito que divide um filme em partes maiores e menores. Isso facilita a identificação de padrões de desenvolvimento na narrativa, além de nos ajudar a identificar como as cenas estabelecem causas e efeitos, quais os objetivos dos personagens e como eles são desenvolvidos ao longo do enredo…

Confira um exemplo de segmentação criada por Bordwell e Thompson do filme Cidadão Kane (1941):

C. Créditos iniciais
1. Xanadu: Kane morre
2. Sala de projeção
a. “Notícias em marcha”
b. Os repórteres discutem “Rosebud”
3. Boate El Rancho: Thopsom tenta entrevistar Susan
4. Biblioteca de Thatcher [PRIMEIRO FLASHBACK]
a. Thompson entra e lê o manuscrito de Thatcher
b. A mãe de Kane manda o menino embora com Thatcher
c. Kane cresce e compra Inquirer
d. Kane lança um ataque contra as grandes empresas no Inquirer
e. A Depressão: Kane vende sua cadeia de jornais para Thatcher
f. Thompson sai da biblioteca

A segmentação do filme segue com mais quatro partes e os créditos finais. Dessa forma, é possível visualizar de maneira geral como o enredo organiza o tempo na história. Ao todo são cinco flashbacks, e a segmentação pode ajudar o espectador a entender a ordem, a duração e a frequência dos eventos.

Por fim, é hora de prestar atenção nas técnicas cinematográficas. Identifique técnicas, tente delinear padrões e suas recorrências ao longo da narrativa e proponhas funções para o uso dessas técnicas. Mas esteja atento ao planejamento prévio de sua tese. Diante de tantos elementos de composição de cena (atuação, iluminação, música, diálogo, movimentação de câmera) é fácil se perder e descrever elementos que não são relevantes para sua tese.

Depois desses três passos, você está pronto para organizar sua análise. Os autores sugerem a seguinte estrutura:

  • Introdução: Informações de fundo ou um exemplo significativo que levam à formulação da tese
  • Corpo: Razões para acreditar na tese; Evidências e exemplos que sustentam a tese
  • Conclusão: Reafirmação da tese e discussão de suas implicações mais amplas

A título de revisão, os autores ainda elencam os seguintes tópicos para guiar a sua trajetória de escrita:

  • Eu tenho uma tese? Ela foi claramente formulada no início do ensaio?
  • Eu tenho uma série de razões para sustentar a tese? Elas estão organizadas em uma ordem lógica e convincente (com a razão mais forte ou complexa em último lugar)?
  • As razões que eu uso para sustentar a tese foram fundamentadas? Minha segmentação e minha análise estilística fornecem indícios e exemplos específicos para cada razão oferecida?
  • O início do texto orienta o leitor na direção de meu argumento? O parágrafo de conclusão reitera a tese e constitui um final destacado?

Referências

Livros:
A arte do cinema: uma introdução, de David Bordwell e Kristin Thompson

Filmes:
Cidadão Kane (1941), dirigido por Orson Welles

Deixe seu comentário
Rafael Alessandro

Mestrando em Cinema e Artes do Vídeo, dedica-se à pesquisa e produção audiovisual.