3 dicas simples para estabilizar filmagens com smartphone

Com o aumento do uso dos celulares na captação de vídeo, algumas dicas para imagens mais suaves e regulares podem ser de grande ajuda para deixar sua produção ainda mais interessante.

O espaço do smartphone

Por mais estranho que possa parecer para quem já tem uma experiência no mundo audiovisual, os smartphones estão cada vez mais presentes em produções audiovisuais: ainda que eles tenham suas limitações em relação às câmeras profissionais, essa diferença segue em direção a ser diminuída com o tempo, de maneira que se pode dizer, com certo grau de segurança, que o futuro da área passa pelos smartphones.

A nova forma de fazer publicidade em redes sociais, por exemplo, em proporção de tela que varia entre a 16:9 ou 18:9 — a famosa tela de pé —, é uma mostra de que cada vez mais há um mercado consumidor que precisa de uma produção de conteúdo que atenda a demanda desse tipo de “formato”.

Pontos a serem considerados

Um dos grandes problemas que a captação de vídeo nos aparelhos acaba gerando é a falta estabilização de imagem, já que muitos dos filmmakers que usam smartphones para gravar não utilizam um equipamento específico para isso, segurando o aparelho diretamente com uma das mãos, o que faz com que a imagem fique tremida por conta da excessiva movimentação do corpo, e isso acaba passando um ar menos profissional para o conteúdo, quando não arruína o material.

Mas nós vamos passar algumas dicas legais para que esse problema possa ser amenizado ou mesmo superado e seu vídeo fique mais profissional.

Estabilização Manual

Os aparelhos mais recentes já tem sido feitos com recursos que corrigem, de certa forma, as irregularidades dessa movimentação de câmera que atrapalham o vídeo — além de permitirem outras correções, como a de cor e luz também.

Algoritmos de estabilização bem específicos estão sendo desenvolvidos e aprimorados, e são automaticamente executados junto com o aplicativo da câmera tornam muito mais fácil essa captação, como se encontra disponível, por exemplo, nos modelos de iPhone 8, X e XS da Apple.

Assim, o primeiro passo é conhecer o seu aparelho e saber o que ele pode ou não fazer para tornar o seu vídeo ainda melhor. Isso é ainda mais importante se você não usa equipamentos que são voltados para estabilização de imagem.

Esse tipo de gravação fica ainda melhor se você:

1) Mover a câmera um pouco mais devagar — movimentos muito bruscos entregam a gravação feita por smartphone além de quebrar a noção de suavidade da gravação.

2) Ajuste manualmente ou permita que o modo automático tenha tempo de ajustar as condições e correções de luz para a gravação.

3) Segure seu smartphone com ambas as mãos durante todo o tempo de captação—isso ajuda muito a evitar que a imagem fique tremida.

Seu smartphone é capaz de captar conteúdo com qualidade usando somente suas mãos como apoio, contudo, você deve observar as dicas acima para poder obter o melhor em qualidade de gravação que ele pode oferecer.

Estabilizadores e tripés de smartphone

Com o crescente uso de smartphones na captação de conteúdo, as empresas que antes fabricavam estabilizadores para câmeras, ou estreantes no mercado, passaram a oferecer nova soluções que também permitissem que smartphones pudessem ser colocados nesse tipo de plataforma.

Do mais simples, como tripés, aos mais sofisticados, como gimbals e grips, esse tipo de equipamento acaba por ser muito útil dentro da produção por permitir que haja maior estabilidade imagem e um ar ainda mais profissional ao conteúdo captado.

A lista abaixo mostra alguns exemplo de equipamento que vão do mais simples e de baixo orçamento àqueles mais complexos e que precisam de um orçamento mais alto:

Estabilizando imagens com o Premiere Pro

A menos que você vá usar editores de vídeo como Adobe Premiere Rush ou iMovie, que são voltados para edição diretamente no próprio celular, você pode obter um tratamento um pouco melhor para sua gravação usando o Adobe Premiere Pro para editar o vídeo e tratar a questão da estabilidade de imagem com mais precisão.

Dentro do software a ferramenta “Estabilizador de Distorção” (o Warp Stabilizer) pode ser bem útil, além de ser bem simples de usar, para concertar eventuais gravações que fiquem tremidas.

Trazer esse conteúdo para softwares como o Premiere Pro é justamente dar esse toque mais profissional para o seu vídeo, porque ele permite um tratamento muito mais fino e delicado do conteúdo, o que consequentemente agrega valor ao seu conteúdo e à sua produção.

Se você quiser saber como utilizar o Estabilizador de Distorção, clique aqui que a gente explica direitinho.

Exemplos de conteúdo feito com smartphones

No momento, a produção de filmes ou peças ainda engatinha no uso de smartphones, já que conteúdos que exijam uma manipulação mais elaborada ainda são melhor executadas por câmeras profissionais, que permitem que vários aspectos do vídeo possam ser personalizados para atender os propósitos da peça em si.

Algumas propostas têm surgido para adaptar, por exemplo, lentes de DSLR’s para smartphone, como o Bestgrip, que amplia as capacidades de gravação do smartphone em questão. Isso além de aplicativos, como o Filmic Pro que já dão essa liberdade de manipulação de características da câmera além do próprio aplicativo nativo do aparelho.

Mas, já é possível encontrar filmes no mercado que foram captados completamente com o uso de smartphones, como Tangerine (2015), do diretor Sean S. Beker e Distúrbio (Unsane) (2018), do diretor americano Steven Soderbergh, que utilizou iPhones 7 e lentes para o aparelho e produziu um thriller único e que conta com um nome de peso como Clarie Foy, da série da Netflix The Crown (2016 – presente).

Dessa forma, é interessante começar a prestar um pouco mais de atenção à produção de conteúdo que é feita através de smartphones, de modo que, ainda que eles não sejam a maioria dentro do mercado de produção, preparar-se pode ser, sim, uma boa pedida.

Deixe seu comentário
Share

Escritor e redator, formado em Rádio e Televisão pelo Complexo FIAM-FAAM, apaixonado por literatura e observador míope do espaço sideral.