Vida de Freelancer

Quem já é do meio ou quem quer começar a carreira dentro do audiovisual sabe que, diferente de outros tipos de profissão, a forma de contratação na área é bem diferente da tradicional “carteira assinada” que a gente encontra no mercado de trabalho.

Como se trata de trabalhos pontuais e que atendem a uma demanda muito específica, os jobs para o mercado são feitos conforme a necessidade e duram o tempo necessário para que sejam entregues. Isso nos torna freelancers. Mas o que isso significa?

O freelancer ou freela — para os íntimos — é um profissional que não é um funcionário da empresa, mas que presta um serviço para ela. Normalmente, essa relação é descrita por um contrato — em alguns dos casos, é na base da confiança mesmo. Esse serviço é específico e tem prazo de entrega, que é justamente quando esse contrato termina.

Por um lado, ser freelancer tem muitas vantagens: você determina seu ritmo de trabalho, bem como tem maior controle daquilo que faz e do momento que escolhe pegar novos serviços. Isso sem falar da maior flexibilidade de horários, local (muitos fazem seu trabalho em casa) e ambiente — afinal, trabalhar sozinho pode trazer uma tranquilidade que um local agitado não traz. Além disso, você pode acumular serviços, o que pode significar aumento dos seus ganhos.

Por outro, a vida de freelancer pode exigir alguns cuidados, já que é necessário algum planejamento para não se perder dinheiro, principalmente devido às demandas, que podem variar numa temporada, além de muita organização para não confundir trabalhos e atenção para entrega dos trabalhos nos padrões de qualidade e demanda.

Já que essa vida de freela pode confundir alguns dos nossos leitores, nós separamos alguns passos que podem te ajudar a gerenciar melhor seus negócios:

  1. Organize-se: separe seu material de trabalho e estabeleça um horário de trabalho. É muito importante que você seja organizado com esses dois pontos, já que sem material, você terá atrasos e atrasos podem significar diminuição dos seus gastos; e com um horário de trabalho irregular, você pode acabar espantando alguns potenciais clientes que esperem por uma certa regularidade de entrega.

  2. Seja claro nas comunicações: entender aquilo que seu cliente quer, perguntando, esclarecendo processos, compreendendo expectativas vai tornar seu trabalho muito mais simples e eficiente e isso só acontece quando as parte conversam e estabelecem uma comunicação muito boa. Então, não tenha medo de perguntar o que o cliente espera com aquela foto, vídeo ou produção; qual é o público que ela vai atingir ou outras coisas que você eventualmente tenha dúvidas.

  3. Faça um planejamento: uma vez recebido o trabalho, veja os prazos e pense nos passos que são necessários para que ele seja entregue. Estabeleça um tempo necessário para cada processo e seja eficiente para que as coisas não se acumulem para o final. Essa dica serve, principalmente, para quem acumula mais de um trabalho por vez — o que é bem normal e não apresenta muitos problemas se você tem um bom planejamento.

  4. Entregue somente o melhor: quando estiver realizando seu trabalho, procure sempre ter o máximo de qualidade agregada àquilo que está fazendo, isso porque seu próximo trabalho pode depender desse que você está trabalhando, já que o cliente pode vir a pedir mais coisas ou indicar você para outras pessoas — a coisa que a gente mais preza no meio: indicação!

  5. Divulgue: essa é uma das tarefas mais importante depois do trabalho em si. A divulgação do seu nome ou daquilo que você faz é o que vai fazer com que você seja notado por possíveis clientes. Se for possível, peça indicação de amigos e use as redes sociais para criar perfis nos quais seus trabalhos possam ser divulgados.

  6. Dica extra: pedir para o cliente divulgar pode não ser uma boa porque nem sempre faz parte da política da empresa ou do contratante a divulgação de quem faz o tipo de serviço contratado — e isso pode atrapalhar um pouco futuras contratações. Pesquise trabalhos anteriores feitos em nome da empresa ou contratante e veja se faz parte da política deles a divulgação.

Quase todo mundo do meio começa como freela e a maior parte das produtoras começou com freelancers que se juntaram e organizaram. Esse é um período que traz muita experiência, mas que também exige muitos cuidados, principalmente para quem quer o sucesso naquilo que faz.

E você, já é um freela? Tem alguma dica que quer contar pra gente? Escreve aqui nos comentários.

Deixe seu comentário
Share
João Leite

Escritor e redator, formado em Rádio e Televisão pelo Complexo FIAM-FAAM, apaixonado por literatura e observador míope do espaço sideral.