Protocolo de Segurança e Saúde no Setor Audiovisual

Neste período de enfrentamento à pandemia de Covid-19, muitos profissionais estão se mobilizando para a criação de protocolos de segurança e saúde tendo em vista a não-paralisação total do setor audiovisual no Brasil.

É possível encontrar protocolos direcionados para departamentos específicos, como o de produção, câmera ou áudio, elaborados pelos técnicos das respectivas áreas. Além disso, um documento mais amplo elaborado por um grupo de trabalho formado por integrantes de diversas associações profissionais foi publicado pelo Sindcine e está em constante desenvolvimento através da participação ativa desses profissionais.

Graças à internet, a monitoração do trabalho remoto tem sido uma alternativa viável, e com planejamento, adaptações e criatividade, a gravação remota foi adotada e implantada com sucesso em muitas produções menores.

Já a retomada das atividades em sets presenciais tem sido organizada para acontecer em 3 fases, respeitando as medidas de restrição e flexibilização adotadas pelo poder público local.

Destacamos abaixo algumas das medidas de segurança e prevenção propostas pelo protocolo de segurança disponibilizado pelo Sindcine. O documento na íntegra atualizado está disponível no site do sindicato.

Áreas de risco

Divisões físicas do espaço de trabalho, que levam em consideração a concentração de pessoas e o risco que a aproximação entre elas acarreta, deverão ser sinalizadas com clareza para proteção coletiva.

Equipamentos de proteção

A disponibilização dos equipamentos de proteção individual e coletivos ficam sempre a cargo do contratante. O trabalhador deverá possuir embalagens separadas para as máscaras e demais EPIs como “novos” e “usados”, para evitar o risco de contaminação.

FASE 1

Neste primeiro momento são apenas permitidas as filmagens por meio remoto, com deslocamento mínimo de equipe, de equipamentos e itens específicos, sem interação humana. Reuniões em geral (briefing, pré-PPM e PPM) deverão ser feitas apenas por videoconferência.

Direção de arte

A pesquisa e a produção de arte e objetos devem ser feitas EXCLUSIVAMENTE em lojas e fornecedores que ofereçam atendimento online.

Higienização

Objetos de cena, figurinos e equipamentos devem ser higienizados e embalados antes de serem entregues e após utilização.

FASE 2

Fase transitória com a possibilidade de gravações em sets de filmagens com adoção de regras e condutas específicas, mantendo o trabalho remoto sempre que possível.

Contratos

Todo contrato de equipe deve ter, preferencialmente, assinatura digital.

Montagem de cenário

A montagem deve ser realizada em diárias anteriores às diárias de pré-light e filmagem, com escalonamento de equipes, ventilação do ambiente e higienização completa do set antes e após a montagem.

Câmera, elétrica e maquinaria

As listas de equipamentos devem ser preferencialmente mantidas em formato digital, e os equipamentos de câmera manipulados pelo menor número possível de funcionários.

Filmagens

As filmagens devem respeitar o acompanhamento de Bombeiro(s) Civil(is) de acordo com a legislação atual vigente, uma vez que os sets terão uma maior presença de produtos químicos, como o álcool gel 70%.
No início do dia, junto com a passagem da Ordem do Dia, deve ser feita uma reunião reforçando todas as recomendações de segurança e higiene no set, bem como reforçar o uso dos EPIs.
Anexar à Ordem do Dia um Guia de Recomendações de Segurança, elaborado pela produção especificamente para cada produção, e enviado na véspera da filmagem.

Produção

Disponibilizar tapetes higienizantes com produto recomendado pela Anvisa na entrada do set. O descarte dos EPIs deverá ser feito em lixeira hospitalar, isolada dos demais resíduos produzidos e descartados.

Fotografia

O visor das câmeras deve ser de uso individual e exclusivo dos operadores de câmera e diretores de fotografia que estejam operando. Além disso, deve-se higienizar e utilizar protetores no visor das câmeras quando não estiverem em uso.

Som direto

Priorizar o uso de transmissores sem fio para envio de som para câmera/vídeo assist para evitar uso de cabos; fones de ouvido deverão ser providenciados pela produção para que cada profissional tenha o seu exclusivo e individual.

Devido à necessidade de manutenção da higienização do estúdio com alta frequência, recomenda-se também a contratação de um serviço especializado para este fim.

O protocolo de segurança do Sindcine também disponibiliza um Termo de Responsabilidade anexo, que deve ser assinado pela produtora e cada profissional contratado.

Além disso, outros protocolos mais enxutos e específicos para cada departamento estão sendo elaborados por equipes técnicas, como por exemplo alguns voltados para o departamento de câmera, com procedimentos aplicados a cada membro da equipe, além de protocolos para locação, higienização correta de cada equipamento, e informações adicionais sobre quais produtos não utilizar.

Deixe seu comentário
Share
Fernanda Simões

Fotógrafa e Videomaker no AvMakers, Fernanda é graduada em Publicidade e Propaganda e pós-graduada em Comunicação Audiovisual pela PUC PR. Trabalha com produção audiovisual desde 2007, entre produções publicitárias, institucionais, EAD e Making Of para cinema, videoclipe e demais projetos audiovisuais. Isso tudo quando não está cuidando do Gael ou correndo atrás do Astolfo.